Ataques, prisões, ameaças, censura: Investigações preliminares revelaram que pelo menos 42 jornalistas e trabalhadores dos meios de comunicação social foram mortos em Gaza

Os jornalistas em Gaza enfrentam riscos particularmente  elevados  quando tentam cobrir o conflito. Foto: MAHMUD HAMS/AFP
Compartilhe

A guerra Israel-Gaza tem causado graves danos aos jornalistas desde que o Hamas lançou o seu  ataque sem precedentes  contra Israel, em 7 de Outubro e Israel  declarou guerra,  ao grupo militante palestiniano, lançando ataques na Faixa de Gaza.

O CPJ.org (Comitê para Proteção de Jornalistas)  está investigando todos os relatos de jornalistas e trabalhadores da mídia mortos, feridos ou desaparecidos na guerra, que resultou no mês mais mortal para jornalistas, desde que o CPJ começou a coletar dados em 1992.

Em 19 de Novembro, as investigações preliminares do CPJ revelaram que pelo menos 42 jornalistas e trabalhadores dos meios de comunicação social, estavam entre os  mais de 13 mil mortos desde o início da guerra, em 7 de Outubro – com mais de 12 mil mortes palestinianas em Gaza e na Cisjordânia e 1.200 mortes em Israel.

As Forças de Defesa de Israel (IDF) disseram às agências de notícias Reuters e Agence France Press, que não poderiam garantir a segurança de seus jornalistas que operam na Faixa de Gaza, depois de terem buscado garantias de que seus jornalistas não seriam alvo de ataques israelenses, informou a Reuters em 27 de outubro.

Os jornalistas em Gaza enfrentam riscos particularmente  elevados  quando tentam cobrir o conflito durante o ataque terrestre israelita , incluindo ataques aéreos israelitas devastadores, comunicações interrompidas, escassez de abastecimento e cortes de energia extensos.

Em 19 de novembro:

“O CPJ enfatiza que os jornalistas são civis que realizam um trabalho importante em tempos de crise e não devem ser alvo de partes em conflito”, disse Sherif Mansour, coordenador do programa do CPJ para o Médio Oriente e Norte de África. “Os jornalistas de toda a região estão a fazer grandes sacrifícios para cobrir este conflito doloroso. Os que estão em Gaza, em particular, pagaram, e continuam a pagar, um preço sem precedentes e enfrentam ameaças exponenciais. Muitos perderam colegas, familiares e meios de comunicação social e fugiram em busca de segurança quando não há porto ou saída segura.”

A lista aqui publicada inclui nomes baseados em informações obtidas de fontes do CPJ na região e em reportagens da mídia. Inclui todos os jornalistas* envolvidos em atividades de recolha de notícias. Não está claro se todos estes jornalistas cobriam o conflito no momento das suas mortes, mas o CPJ incluiu-os na nossa contagem enquanto investigamos as suas circunstâncias. A lista está sendo atualizada regularmente.

 

Leia a materia completa aqui

 

CPJ

Voce pode gostar também!

Conheça meus serviços

É um serviço especializado realizado por mim Jornalista Marcela Rosa , especialista em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV, Na minha mentoria on line eu vou te orientar de forma individualizada nos seus trabalhos de vídeo ou ainda de textos para TV ou internet.

Saiba mais

Nas Redes Sociais, como jornalista,eu atuo de uma forma diferenciada. Na verdade, uso a minha imagem e o meu texto (fala) como “referência” digital para produtos e serviços que coadunam com meu perfil de mulher adulta, mãe e profissional da comunicação.

Saiba mais

O Cerimonial de uma jornalista busca sempre aliar competência e credibilidade com a imagem e a voz que vão representar empresas e organizações.

Saiba mais

O meu maior Knowhow é sem dúvida a produção, redação e apresentação de vídeos jornalísticos. E todo este conhecimento é reproduzido nas propostas institucionais.

Saiba mais