Manaus, 25 de setembro de 2020
PortugueseEnglishSpanish
PortugueseEnglishSpanish

Bolsonaro nega que vá tabelar arroz, mas libera notificação a mercados

blank
© Facebook/Reprodução O presidente Jair Bolsonaro em live com a youtuber mirim Esther Castilho
Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O presidente Jair Bolsonaro disse na noite desta quinta-feira, 10, que não vai interferir no mercado ao comentar o aumento do preço do arroz. “Por que aumentou o preço do arroz? Tem mais ou menos 10 anos que têm prejuízo no arroz. Como faz? Posso tabelar? Não pode. Mexe no mercado e fica pior. Não vou interferir no mercado, tem que valer a lei da oferta e procura”, disse Bolsonaro.

O presidente afirmou que autorizou a Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor) a notificar supermercados pela alta de preços de alimentos da cesta básica

Conheça nossos serviços

– Mentorias
– Media Training
– Digital Influencer
– Cerimonialista
– Produção de Vídeos
– Curso – Método da Rosa

Em sua tradicional live semanal, Bolsonaro disse que foi consultado por André Mendonça, ministro da Justiça, pasta à qual a secretaria está subordinada. “André Mendonça falou comigo: ‘posso botar a Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor para investigar, perguntar para supermercados por que o preço subiu?’ Eu falei ‘pode’. E ponto final. Porque, ao chegar a resposta, pode ser que o errado somos nós. Pode ser o governo, daí o governo toma providência e ponto final”, disse Bolsonaro.

Auxílio emergencial

O presidente também confirmou que não vai prorrogar novamente o auxílio emergencial após o fim do ano. No começo do mês, Bolsonaro anunciou a extensão do auxílio por meio de medida provisória. O valor das parcelas que serão pagas até dezembro é de R$ 300. “Se não trabalhar, não come, não é isso? A gente lamenta, eram três meses, nós prorrogamos para mais dois, cinco meses, e agora acabou. Criamos um outro auxílio emergencial, não mais de R$ 600, mas de R$ 300. Não é porque quero pagar menos não. É porque o Brasil não tem como se endividar mais. Não vai ter uma nova prorrogação porque o endividamento cresce muito, o Brasil perde muito, perde confiança, juros podem crescer, pode voltar a inflação.​”, afirmou.

De maneira irônica, Bolsonaro recomendou que aqueles que desejam receber auxílio por mais tempo procurem prefeitos e governadores que restringiram o funcionamento do comércio como uma maneira de minimizar a transmissão do novo coronavírus. “Não quero culpar ninguém não, mas vão pedir auxílio para quem tirou seu emprego, né, para quem falou ‘fique em casa’. Fique em casa, o Brasil todo parou. ‘Fique em casa, a economia a gente vê depois’. Chegou o boleto para pagar”.

Piadas sobre misoginia e gordos

Ao lado de uma youtuber mirim, a menina Esther Castilho, de 10 anos, que se autointitula “repórter e apresentadora”, Jair Bolsonaro fez piadas sobre gordos e misoginia. Em conversa com a garota, o presidente disse que viu na internet que era “dia do gordinho” e brincou com o sobrepeso do assessor especial da Presidência Tércio Arnaud.

“Estou vendo o Tércio aqui, que deve pesar o que? Umas sete arrobas, né, Tércio? Eu estou vendo aqui na internet que hoje é dia do gordinho. É verdade? O gordinho pode salvar sua vida? Como?”, questionou o presidente, dirigindo a pergunta a Esther. A youtuber respondeu: “Ah, tipo assim: surge um urso, aí ele corre, corre, corre. Quem vai correr mais?”. Bolsonaro rebateu: “Você que é magrinha, o urso vai pegar o gordinho e vai salvar sua vida. Se for comer o Tércio o urso vai passar mal. É muita gordura.”, completou, aos risos.

O chefe do Planalto também lembrou de uma ocasião na qual foi acusado de ser misógino e admitiu que, na primeira vez que ouviu o termo, que significa horror ou aversão às mulheres, pediu a um assessor para pesquisar na internet. “Eu confesso. A primeira vez que gritaram ‘misógino’ para mim eu não sabia. Tinha um assessor do lado: ‘pega aí, rapidinho na internet o que é misógino para saber se estou sendo xingado ou elogiado’.”

Maus tratos contra animais

O presidente afirmou ainda que vai lançar uma enquete no Facebook para decidir se vai sancionar ou não a proposta que aumenta a pena para maus tratos contra cães e gatos, aprovada nesta quarta-feira, 9, pelo Congresso. “O que eu pretendo fazer, vou colocar no meu Facebook o texto da lei para o pessoal fazer comentários. Só deixo avisado, quem for para a baixaria é banimento. Pode reclamar, a pena é excessiva, é grande, tem que sancionar, tem que vetar. Porque não é fácil tomar uma decisão como essa daí”.

Em seguida, Bolsonaro pediu a opinião da youtuber mirim que o acompanhou na live. “Dá para você entender o que são dois anos de cadeia porque uma pessoa maltratou um cachorro? A pessoa tem que ter uma punição, mas dois anos… Dois a cinco anos?”, comentou Bolsonaro.

A menina de dez anos não concordou, dizendo achar pouco. “Eu acho que é muito pouco (a pena), viu. A gente tem que cuidar do animal, não tem que maltratar ele”, disse Esther. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, também tem feito campanha nas redes sociais pela sanção.

Atualmente, a legislação prevê detenção de três meses a um ano e multa para maus-tratos contra animais e, se a agressão resultar em morte, a punição é aumentada de um sexto a um terço. Com o projeto, quando se tratar de cão ou gato, a pena será de dois a cinco anos de reclusão, multa e proibição da guarda. O projeto depende apenas da sanção de Bolsonaro para virar lei.

VEJA.com

Voce pode gostar também!

Conheça meus serviços

É um serviço especializado realizado por mim Jornalista Marcela Rosa , especialista em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV, Na minha mentoria on line eu vou te orientar de forma individualizada nos seus trabalhos de vídeo ou ainda de textos para TV ou internet.

Nas Redes Sociais, como jornalista,eu atuo de uma forma diferenciada. Na verdade, uso a minha imagem e o meu texto (fala) como “referência” digital para produtos e serviços que coadunam com meu perfil de mulher adulta, mãe e profissional da comunicação.

O Cerimonial de uma jornalista busca sempre aliar competência e credibilidade com a imagem e a voz que vão representar empresas e organizações.

O meu maior Knowhow é sem dúvida a produção, redação e apresentação de vídeos jornalísticos. E todo este conhecimento é reproduzido nas propostas institucionais.

Playlist - Manchetes da Rosa

Iniciar Atendimento
1
Olá bem-vindo ao Portal da Marcela Rosa!

Em que podemos te ajudar? Os nossos serviços são:

- Mentorias em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV.
- Média Training
- Digital Influencer
- Cerimonialista (Português, Inglês e Espanhol)
- Produção de vídeos

Estamos a disposição para atendê-lo, aguardamos você!