Manaus, 9 de agosto de 2020
PortugueseEnglishSpanish
PortugueseEnglishSpanish

Festival de Parintins: data sugerida só é “relativamente segura” para população do município, aponta estudo

blank
Foto: Divulgação/DPE-AM
Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) recebeu um estudo feito pelo Atlas ODS Amazonas sobre a viabilidade da realização do Festival Folclórico de Parintins em novembro, no contexto da pandemia de Covid-19. A nota técnica foi solicitada pela Defensoria no Procedimento de Apuração de Dano Coletivo (Padac) instaurado após os bois-bumbás Caprichoso e Garantido divulgarem que o Festival deve ocorrer nos próximos dias 6, 7 e 8 de novembro.

Conheça nossos serviços

– Mentorias
– Media Training
– Digital Influencer
– Cerimonialista
– Produção de Vídeos
– Curso – Método da Rosa

Conforme o estudo, a data sugerida pelos organizadores poderia ser considerada “relativamente segura” para a realização do evento se voltado apenas à população de Parintins. “Segundo os modelos aplicados, se as condições atuais forem mantidas, as projeções sugerem que em 6 de novembro se espera que 92,6% dos óbitos e 99,5% dos casos previstos tenham sido registrados. Do ponto de vista do risco epidemiológico interno (ou seja, para a própria população analisada), a data sugerida pelos organizadores poderia ser considerada uma data relativamente segura para a realização de eventos que resultariam em maior aglomeração”, diz trecho do estudo.

Já sobre a realização do Festival de maneira ampla, com a presença de turistas na Ilha Tupinambarana, não é possível prever qual seria o impacto epidemiológico que um contingente grande de visitantes, dentre eles pessoas contaminadas e no período de transmissão da Covid-19, provocaria ao município. “No entanto, é razoável supor que haveria um alto risco de se iniciar uma nova onda de contaminação, afetando não apenas a população residente”, continua a pesquisa.

O Atlas ODS Amazonas é um projeto da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e está inserido no Programa de Pós-graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia (PPGCASA). O estudo apresentado à Defensoria é assinado pelos professores PhD Henrique dos Santos Pereira e Danilo Egle Santos Barbosa, além da professora doutora Suzy Cristina Pedroza da Silva e do mestrando Bruno Cordeiro Lorenzi.

Apuração da Defensoria

O Padac é um procedimento instaurado pelo polo da Defensoria no Baixo Amazonas para reunir informações sobre a viabilidade da realização do Festival de Parintins em novembro, no contexto de pandemia. O procedimento busca dar condições para a elaboração de eventual ação, recomendação ou acordo extrajudicial futuros. A preocupação da Defensoria é com a aglomeração de pessoas e o fato de o Festival atrair turistas de diversas regiões do Brasil e do exterior a Parintins. A instituição quer garantias científicas sobre a viabilidade da realização do Festival.

Além do Atlas ODS, a Defensoria também oficiou a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e o Instituto Mamirauá para que, caso possível, sejam elaborados estudos científicos sobre a viabilidade de realização do Festival.

A direção dos bois-bumbás Caprichoso e Garantido também foi oficiada pela Defensoria para dar acesso a eventuais estudos científicos já elaborados sobre a viabilidade do Festival em novembro.

Segundo a defensora pública Gabriela Gonçalves, que atua no Polo da DPE-AM no Baixo Amazonas, o estudo do Atlas ODS foi inserido nos autos do Padac. “Ressalta-se que não houve, até então, resposta aos ofícios enviados aos bois Caprichoso e Garantido, motivo pelo qual a Defensoria continuará aguardando o fornecimento das informações inicialmente solicitadas para, então, seguir no diálogo, inclusive participando de eventuais reuniões”, explica a defensora.

De acordo com o defensor Luiz Gustavo Cardoso, o prazo para os bois responderem aos ofícios havia se encerrado nesta segunda-feira (21). Segundo Cardoso, que também atua no Padac, os pedidos serão reiterados hoje, com a concessão do prazo de mais cinco dias para que os bumbás apresentem eventuais estudos científicos já elaborados sobre a viabilidade do Festival.

Voce pode gostar também!

Conheça meus serviços

É um serviço especializado realizado por mim Jornalista Marcela Rosa , especialista em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV, Na minha mentoria on line eu vou te orientar de forma individualizada nos seus trabalhos de vídeo ou ainda de textos para TV ou internet.

Nas Redes Sociais, como jornalista,eu atuo de uma forma diferenciada. Na verdade, uso a minha imagem e o meu texto (fala) como “referência” digital para produtos e serviços que coadunam com meu perfil de mulher adulta, mãe e profissional da comunicação.

O Cerimonial de uma jornalista busca sempre aliar competência e credibilidade com a imagem e a voz que vão representar empresas e organizações.

O meu maior Knowhow é sem dúvida a produção, redação e apresentação de vídeos jornalísticos. E todo este conhecimento é reproduzido nas propostas institucionais.

Playlist - Manchetes da Rosa

Iniciar Atendimento
1
Olá bem-vindo ao Portal da Marcela Rosa!

Em que podemos te ajudar? Os nossos serviços são:

- Mentorias em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV.
- Média Training
- Digital Influencer
- Cerimonialista (Português, Inglês e Espanhol)
- Produção de vídeos

Estamos a disposição para atendê-lo, aguardamos você!