Mais de 700 profissionais de saúde aprovados no concurso do Corpo de Bombeiros em 2009 devem ser convocados este ano

Foto: Reprodução
Compartilhe

O governo do Amazonas anunciou nesta sexta-feira (06), que 796 profissionais de saúde aprovados no concurso do Corpo de Bombeiros realizado em 2009, serão convocados. O anúncio foi feito pelo governador, Wilson Lima, durante a abertura oficial da segunda edição do “Muda Manaus”, que iniciou hoje (06) e vai até sábado (08), no Centro de Ensino de Tempo Integral (Ceti) Elisa Bessa Freire, bairro Jorge Teixeira I, zona leste da capital.

Segundo o governo, a convocação dos concursados deve reforçar o atendimento de um novo modelo de gestão e o Hospital Platão Araújo será transformado  um hospital militar.

Conheça nossos serviços

– Mentorias
– Media Training
– Digital Influencer
– Cerimonialista
– Produção de Vídeos
– Curso – Método da Rosa

Durante a abertura da segunda edição do Muda Manaus, Wilson Lima assinou o Quadro de Distribuição de Efetivo (QDE), que cria os cargos de profissionais de saúde no Corpo de Bombeiros. Na próxima semana, o governador assinará o Decreto de chamamento, para que os 796 concursados façam o curso de formação, programado para abril. Após o chamamento, é necessário o cumprimento de um prazo de 30 dias para o início do curso que prepara o médico para a carreira militar.

“Hoje nós assinamos esse QDE como atendimento ao que determina a lei, uma decisão judicial. O QDE é necessário para que a gente faça uma readequação, para que eles possam ser enquadrados na carreira de bombeiro militar do Estado do Amazonas. E com o chamamento desses profissionais da área da saúde, vamos transformar o Platão Araújo num hospital bombeiro militar”, detalhou.

Por ser uma decisão judicial, o chamamento dos bombeiros médicos não será computado no limite de gasto com pessoal, definido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), e conforme o governador,  ainda este ano, o Governo irá chamar os aprovados no concurso da Polícia Militar do Amazonas (PMAM).

Em junho de 2018, após nove anos depois de serem aprovados, os concursados foram até a Assembéia Legislativa para denunciar o não cumprimento da decisão judicial proferida pela justiça.