Manaus, 25 de outubro de 2020
PortugueseEnglishSpanish
PortugueseEnglishSpanish

Plano para salvar o Pantanal tem de ser diversificado, dizem especialistas

blank
© Dida Sampaio/Estadão - 13/9/2020 Gado corre para se proteger do avanço do fogo na região de Poconé, no Pantanal de Mato Grosso.
Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O maior bioma úmido do mundo também pega fogo. E muito. O Pantanal brasileiro sofre uma das maiores tragédias ambientais já registradas no País, enquanto voluntários e brigadistas tentam apagar o fogo e resgatar animais feridos. Mas, no médio e longo prazo, quais seriam os caminhos para recuperar o que foi perdido?

O Estadão ouviu especialistas da área ambiental para tentar obter uma espécie de plano de recuperação do Pantanal, que possa trazer de volta os 19% de território destruído, segundo o Instituto Centro de Vida. No olhar desses estudiosos, a atuação precisa ser diversificada, multidisciplinar e envolver comunidades locais, produtores do agronegócio, sociedade civil, cientistas e poder público.

“O Pantanal é um sistema absurdamente resiliente. Por isso, parece que as pessoas se esquecem do que aconteceu no passado. A restauração visual estará igual em seis meses, mas uma parte do bioma continuará vazia”, adverte Thiago Izzo, pós-doutor em Biologia, especialista em Ecologia Evolutiva e professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Segundo ele, em pouco tempo poderão ser vistos animais pequenos e plantinhas, mas as grandes espécies não nascem de um dia para o outro. “Quem não conhece os processos e demandas biológicos vai achar que tudo se resolveu, mas o que morreu não volta tão fácil.”

O professor defende que, além de remediar, é necessário impedir que o fogo ocorra novamente. “É importante que no ano que vem, em março, abril, no máximo, já comecem campanhas de prevenção e fiscalização. Desta vez, a atenção está se dando no final do processo”, lamenta. O pesquisador compara os incêndios deste ano à pandemia do novo coronavírus: “Nunca havíamos passado por isso”. Apesar do histórico de fogo que já existe no bioma em épocas e extensões específicas, Izzo afirma que o incêndio desta vez “atingiu proporções inéditas”.

Uma alternativa para os próximos anos, acrescenta, é a técnica de fogo controlado, já utilizada antes, para impedir que esses grandes incêndios saiam do controle. As florestas são enormes campos de material combustível, como folhas secas, madeiras e arbustos. Com as chamas controladas, parte do material já vai ser consumido, havendo muito menos matéria para ser queimada quando a seca chegar.

No entorno. A responsabilidade por conservação e restauração, no entanto, não é só do Pantanal: o entorno da região influencia no que acontece no bioma úmido. “As grandes fazendas que estão aterrando riacho para fazer plantio, por exemplo. São milhares de riachos e nascentes d’água que secam na época com pouca chuva, no Cerrado, e isso diminui a quantidade de água que chega ao Pantanal”, afirma Izzo.

A professora Janaina Guernica, pesquisadora do câmpus do Pantanal da UFMS, destaca em seu projeto de pesquisa o peso da atividade minerária no aumento da vulnerabilidade do bioma. Segundo ela, a extração de minério de ferro em Corumbá (MS) tem promovido não só a retirada de espécies arbóreas da área a ser minerada, mas também um desequilíbrio químico no solo da região – e com isso a revegetação fica bastante comprometida. “Uma alternativa seria a produção de mudas utilizando o próprio resíduo do processo de mineração, para que a quantidade de nutrientes seja corrigida”, explica em vídeo no YouTube da UFMS.

Conheça nossos serviços

– Mentorias
– Media Training
– Digital Influencer
– Cerimonialista
– Produção de Vídeos
– Curso – Método da Rosa

De acordo com o climatologista Carlos Nobre, a utilização corriqueira do fogo para abrir novas áreas ou preparar o terreno para renovação de pastagem e culturas agrícolas deve ser substituída por “novas práticas na agropecuária nacional”. Ele explica que a agricultura moderna não usa fogo e desmata muito menos. Ao contrário, o conceito moderno de produção regenerativa baseia-se em mosaicos de áreas agrícolas cercadas por restauração de ecossistemas naturais, que prestam inúmeros serviços ambientais e beneficiam também a agricultura, mantendo o fluxo de necessários polinizadores e reduzindo os extremos climáticos. “Também a agricultura moderna caminha na direção de ser mais periurbana e verticalizada, aumentando a produtividade, buscando a economia circular, criando menos poluição e resíduos e muito menos agrotóxicos.”

Mentalidade

Pesquisadores ouvidos pelo Estadão também destacaram a importância de uma mudança de mentalidade no trato do assunto. “Geração de conhecimento com base na mobilização da população local” é o foco de Áurea Garcia, doutora em Educação Ambiental e fundadora da ONG Mulheres em Ação no Pantanal (Mupan), que atua ao lado das comunidades tradicionais.

De acordo com ela, o combate emergencial ao fogo não é suficiente para reverter a situação: é preciso uma transformação do olhar para o território. “Quando pensamos no Pantanal, temos uma diversidade de atores e interesses. Não tem como olhar a curto prazo”, afirma. A pesquisadora destaca a importância de disseminar o conhecimento nas comunidades locais. A intenção é promover discussões e levar informação a elas, fazendo população e lideranças locais “reconhecerem o Pantanal enquanto um território de vida”.

“Que essas comunidades também se sintam parte, que não seja somente um espaço onde vivem, e tenham consideração em relação a conservação e sustentabilidade”, diz.

Estadão

Voce pode gostar também!

Estamos ao vivo clique aqui!

Conheça meus serviços

É um serviço especializado realizado por mim Jornalista Marcela Rosa , especialista em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV, Na minha mentoria on line eu vou te orientar de forma individualizada nos seus trabalhos de vídeo ou ainda de textos para TV ou internet.

Nas Redes Sociais, como jornalista,eu atuo de uma forma diferenciada. Na verdade, uso a minha imagem e o meu texto (fala) como “referência” digital para produtos e serviços que coadunam com meu perfil de mulher adulta, mãe e profissional da comunicação.

O Cerimonial de uma jornalista busca sempre aliar competência e credibilidade com a imagem e a voz que vão representar empresas e organizações.

O meu maior Knowhow é sem dúvida a produção, redação e apresentação de vídeos jornalísticos. E todo este conhecimento é reproduzido nas propostas institucionais.

Iniciar Atendimento
1
Olá bem-vindo ao Portal da Marcela Rosa!

Em que podemos te ajudar? Os nossos serviços são:

- Mentorias em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV.
- Média Training
- Digital Influencer
- Cerimonialista (Português, Inglês e Espanhol)
- Produção de vídeos

Estamos a disposição para atendê-lo, aguardamos você!