Manaus, 7 de dezembro de 2021
PortugueseEnglishSpanish
PortugueseEnglishSpanish

Representantes de 17 etnias se reúnem para discutir Educação Indígena

FOTO: Euzivaldo Queiroz/Seduc
Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Com o tema “Os desafios da educação escolar indígena no contexto da pandemia do COVID-19”, representantes de 17 etnias participam da primeira Reunião do Conselho Estadual de Educação Escolar Indígena (Ceei-AM). O evento, realizado com o apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Educação e Desporto, acontece até o dia 26 de novembro e tem como foco debater as demandas da educação indígena, além de proporcionar formação para os conselheiros no âmbito das políticas públicas frente às realidades no Amazonas. O encontro está sendo realizados no Centro Cultural dos Povos da Amazônia, Distrito Industrial I, Av. Silves, 2222, bairro Crespo, zona sul de Manaus.

Nesta quarta-feira (24/11), foi realizada a abertura oficial, com a  presença da secretária Executiva Adjunta Pedagógica, Hellen Matute, a secretária Executiva Adjunta da Capital, Arlete Mendonça e a secretária Executiva Adjunta de Gestão, Rosalina Lobo.

Por determinação do governador Wilson Lima, a Secretaria de Educação é a responsável pela viabilização do evento. Desde 2019, a pasta tem trabalhado para atender às demandas no que diz respeito à Educação Escolar Indígena, de acordo com a secretária Kuka Chaves. “Temos avançado em questões que vão desde a contratação de profissionais até a aquisição de merenda escolar específica”, afirmou Chaves, que participou do evento de maneira virtual.

A secretária Executiva Adjunta Pedagógica, Hellen Matute, reiterou  o papel fundamental do executivo estadual em viabilizar as ações voltadas à educação escolar indígena. “Nós estamos aqui para demonstrar nosso total apoio às necessidades de aprendizagem dos estudantes indígenas e, assim, propor novas estratégias que garantam o direito à educação que busca minimizar os impactos devastadores desta pandemia”, lembrou.

Em sua fala, a secretária de Educação, Kuka Chaves, destacou que desde 2019, foram 1.058  profissionais convocados para atuação na Educação Indígena, por meio de Processo Seletivo Simplificado (PSS). Além disso, a continuidade do “Projeto Pirayawara”, que  permite aumentar o número de comunidades e populações indígenas atendidas também se destaca.

Em relação ao Conselho, foi destacada a parceria, com a oferta de estrutura necessária, servidores capacitados e a logística para a execução das atividades.

Entre as conquistas nestes últimos 3 anos, destaca-se o modelo de alimentação escolar indígena,  adotado na rede pública estadual do Amazonas, que é referência para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Desde o ano passado, o Governo do Amazonas tem realizado aquisições para a alimentação escolar indígena. O Amazonas é o único a cumprir a proposta, que envolve diversas instituições.

CEEI-AM

De acordo com o presidente do CEEI-AM, Jesiel Santos dos Santos, o encontro visa discutir e ter um novo olhar sobre a educação indígena. “Essa é a primeira vez que nos vemos após o ápice da Covid-19 no Amazonas. Então, este é um momento histórico, dialogar com os nossos parentes sobre as demandas que nós vivemos é muito importante, nossas especificidades e a nossa realidade precisa ser debatida. E assim, eu acredito  que a ideia é essa, pois estamos no mesmo barco pela luta a favor da educação escolar indígena”, destacou Jesiel.

Representante da Região do Baixo Amazonas, o conselheiro Elizeu Hixkaryana, cita a importância de reunir indígenas de todas as calhas do Estado. “A gente busca se unir com os diferentes povos, tudo com um único objetivo, a melhoria da qualidade da educação escolar indígena do Amazonas. Logo, é muito importante para nós dos povos indígenas do Amazonas, ter as nossas demandas sendo ouvidas”, reiterou Elizeu da etnia Hixkaryana, localizada no município de Nhamundá.

O Conselho de Educação Escolar Indígena (Ceei) foi instituído por meio do Decreto Governamental nº 18.749, de 6/5/1998, como parte integrante da estrutura da Seduc-AM e institucionalizado no I Seminário de Educação Escolar Indígena no Estado, realizado em 1998.

 

Voce pode gostar também!

Estamos ao vivo clique aqui!

Conheça meus serviços

É um serviço especializado realizado por mim Jornalista Marcela Rosa , especialista em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV, Na minha mentoria on line eu vou te orientar de forma individualizada nos seus trabalhos de vídeo ou ainda de textos para TV ou internet.

Nas Redes Sociais, como jornalista,eu atuo de uma forma diferenciada. Na verdade, uso a minha imagem e o meu texto (fala) como “referência” digital para produtos e serviços que coadunam com meu perfil de mulher adulta, mãe e profissional da comunicação.

O Cerimonial de uma jornalista busca sempre aliar competência e credibilidade com a imagem e a voz que vão representar empresas e organizações.

O meu maior Knowhow é sem dúvida a produção, redação e apresentação de vídeos jornalísticos. E todo este conhecimento é reproduzido nas propostas institucionais.

Iniciar Atendimento
1
Olá bem-vindo ao Portal da Marcela Rosa!

Em que podemos te ajudar? Os nossos serviços são:

- Mentorias em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV.
- Média Training
- Digital Influencer
- Cerimonialista (Português, Inglês e Espanhol)
- Produção de vídeos

Estamos a disposição para atendê-lo, aguardamos você!