Manaus, 4 de agosto de 2021
PortugueseEnglishSpanish
PortugueseEnglishSpanish

Brasil registra em março fuga recorde de dólares para um mês

Foto: Marcelo Casal Jr
Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

A crise causada pela pandemia do novo coronavírus provocou uma fuga recorde de dólares do Brasil em março. Dados do Banco Central mostram que, até o dia 27, houve saída líquida de US$ 13,39 bilhões pelo segmento financeiro. Apesar de ainda não refletirem o movimento completo do mês passado, indicam um recorde de saídas financeiras do País para meses de março. A série histórica do BC começa em janeiro de 1982.
O resultado do segmento financeiro reflete os investimentos feitos por estrangeiros em atividades produtivas (novas fábricas e sociedades em projetos, por exemplo) e em portfólio – como aplicações em ações da Bolsa de Valores ou títulos públicos e privados. O saldo também inclui remessas de lucros e pagamentos de juros feitos por empresas ao exterior, entre outras operações.

Conheça nossos serviços

– Mentorias
– Media Training
– Digital Influencer
– Cerimonialista
– Produção de Vídeos
– Curso – Método da Rosa

Em março, em meio à pandemia, intensificou-se em todo o mundo um movimento de fly to quality (voo para a qualidade), em que investidores deixam ativos de maior risco em busca de aplicações de maior segurança.
Isso se traduziu na retirada de recursos do Brasil e de outros países emergentes em direção a outras praças. Investidores têm preferido aplicar em títulos públicos de países centrais com taxas negativas, por exemplo, a manter dinheiro no Brasil, que ainda sustentava em março um juro básico real (descontada a inflação) de 0,26%. Em comparação, a Alemanha tinha taxa real negativa de 1,75% e os EUA, menos 2,05%.
No segundo semestre de 2019 e no início de 2020, antes da pandemia, as saídas de dólares do Brasil ao exterior, no segmento financeiro, já eram consistentes, mas os motivos eram outros. No ano passado, com a Selic (a taxa básica de juros) em níveis mais baixos (4,5% ao ano em dezembro), tornou-se vantajoso para várias multinacionais pagarem dívidas no exterior e contrair novos empréstimos no Brasil.
O movimento de quitação desses compromissos lá fora – chamado de “pré-pagamento” pelo BC – levou à saída de dólares verificada no segundo semestre do ano passado.
Agora, o motivo é outro. “É o típico fluxo de saída. São investidores indo embora, ou da Bolsa, ou da renda fixa”, explica o economista Alexandre Cabral, que trabalhou por anos no mercado de câmbio brasileiro e hoje é professor do Ibmec. “É o fly to quality, com os investidores em busca dos juros americanos. Com medo de uma recessão pesada no Brasil, eles preferem enfrentar a recessão nos EUA.”
Para dar vazão a esse movimento, o BC tem realizado, quase que diariamente, leilões de venda de dólares ao mercado. Sempre que percebe uma demanda maior pela moeda americana, a autarquia entra nos negócios com oferta da moeda.
Com isso, o BC evita elevações maiores do preço do dólar ante o real ou mesmo distorções no mercado de câmbio que, no limite, podem ser prejudiciais para todo o sistema.
Os R$ 13,39 bilhões líquidos que deixaram o Brasil não chegaram a superar os US$ 19,9 bilhões vistos em dezembro do ano passado. Esta foi a maior saída da história para um único mês. Nesse caso, porém, os envios estiveram ligados ao movimento de pré-pagamento e ao fato de multinacionais e fundos, tradicionalmente, enviarem em dezembro, ao exterior, lucros e dividendos.
Enquanto muitos investidores tiraram recursos do Brasil em março, o País ainda continuou registrando um fluxo de entrada de dólares pela via comercial. Os dados do BC mostraram que, até o dia 27 , o fluxo comercial foi positivo em US$ 7,39 bilhões. O montante foi resultado de exportações de US$ 20,524 bilhões, menos importações de US$ 13,13 bilhões.
Com esses números o fluxo financeiro total – que engloba o resultado financeiro e o comercial – foi negativo em US$ 6 bilhões em março até o dia 27.
Fonte: Estadão

Voce pode gostar também!

Estamos ao vivo clique aqui!

Conheça meus serviços

É um serviço especializado realizado por mim Jornalista Marcela Rosa , especialista em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV, Na minha mentoria on line eu vou te orientar de forma individualizada nos seus trabalhos de vídeo ou ainda de textos para TV ou internet.

Nas Redes Sociais, como jornalista,eu atuo de uma forma diferenciada. Na verdade, uso a minha imagem e o meu texto (fala) como “referência” digital para produtos e serviços que coadunam com meu perfil de mulher adulta, mãe e profissional da comunicação.

O Cerimonial de uma jornalista busca sempre aliar competência e credibilidade com a imagem e a voz que vão representar empresas e organizações.

O meu maior Knowhow é sem dúvida a produção, redação e apresentação de vídeos jornalísticos. E todo este conhecimento é reproduzido nas propostas institucionais.

Iniciar Atendimento
1
Olá bem-vindo ao Portal da Marcela Rosa!

Em que podemos te ajudar? Os nossos serviços são:

- Mentorias em telejornalismo e produção de vídeos e textos para vídeos e TV.
- Média Training
- Digital Influencer
- Cerimonialista (Português, Inglês e Espanhol)
- Produção de vídeos

Estamos a disposição para atendê-lo, aguardamos você!